29/11/2017 - Franquia

Microfranquia de alimentação ou de produtos? Qual escolher?

Microfranquia de alimentação ou microfranquia de produtos

Cada vez mais o interesse pelo investimento em microfranquias está crescendo. Mesmo sendo conhecidas como “franquias baratas” e categorizadas como franquias de menor porte, algumas delas podem atingir o sucesso e um faturamento semelhante ao das franquias “tradicionais”, de maior porte e com investimento mais alto.

Ainda que as microfranquias representem uma opção atrativa de investimento com baixo capital, principalmente em tempos de recessão, vantagens e desvantagens sempre irão existir. No caso específico dos formatos de venda de produtos ou alimentos, vale a pena levantar os pontos positivos e negativos para identificar aquele que melhor se encaixa em seu perfil.

Mas, antes de optar por algum segmento específico, a primeira grande dúvida é: microfranquia de alimentação ou de produtos? Qual seria a melhor escolha?

Microfranquias de alimentação

O ramo alimentício não para de crescer, basicamente por conta da correria do dia a dia, que fez com que as pessoas criassem o hábito de comer fora. O cenário é atrativo e promissor, e deve permanecer em expansão. Um bom reflexo deste fator é o alto volume de vendas do setor. Se compararmos as vendas desse tipo de mercado com o de outros segmentos de franquia, especialmente com o de produtos, podemos afirmar que a alimentação apresenta números bastante superiores.

Outro ponto favorável das franquias de alimentação vem do fato de serem as que melhor se adaptam às variações de mercado. A versatilidade de poder trabalhar com mão de obra reduzida e possíveis ajustes no cardápio para atender melhor às necessidades dos clientes, são algumas das soluções frequentemente utilizadas por negócios do setor para manterem-se ativos, mesmo em momentos de crise.

Em contraponto, é importante levar em consideração a questão da perda de matérias-primas em decorrência da validade dos produtos adquiridos e não consumidos. Nesse sistema de franquia, o controle do estoque precisa ser mais rigoroso, pois quase todos os itens são perecíveis. Outros pontos de atenção são as exigências relacionadas à limpeza e questões ligadas à vigilância sanitária, como o manuseio dos alimentos, e a necessidade de um controle maior de todas as atividades desenvolvidas.

Microfranquias de produtos

No formato de franquia que tem como foco a venda de produtos, a situação se inverte em comparação com o modelo de alimentação. Aqui, a perda de materiais é pequena, já que os itens comercializados não são perecíveis. Se não vendeu agora, é possível vender depois. Para isso, basta reajustar preços ou esperar a melhor época do ano para divulgar certos produtos parados em estoque.

Porém, em contraponto, existe a necessidade de manter um estoque diversificado e, atrelado a ela, o risco de imobilizar recursos que podem fazer falta mais tarde, como o capital de giro. Deve ser levada em consideração, também, a necessidade de espaço físico para armazenamento dos produtos.

Cada empreendedor tem um perfil, com aptidões e gostos diferentes. Antes de optar por uma microfranquia, o primeiro fator a ser colocado na balança deve ser o famoso desejo de trabalhar com aquilo que gosta. Portanto, já que a ideia é investir – tanto dinheiro quanto esforço – em um negócio próprio, que seja em algo que goste e tenha mais familiaridade.

Ainda tem dúvidas sobre qual segmento escolher? Que tal conhecer também o segmento de serviços, lendo o post: Microfranquias de produtos ou de serviços: conheça os dois mercados!

 

Deixe seu comentário